live education

coisas de professor – educação e entretenimento

Archive for the ‘professores’ Category

Enorme coleção de sites/link de interesses para professores e educadores

Posted by J L em Abril 14, 2014

This collection of links, chosen and maintained by Gutman Library Research Services staff, provides links to freely available sites of interest to educators.

Adult Education and Literacy

The Arts

Bilingual Education / ESL

Boston Area Libraries (selected)

Charter Schools

Children’s Literature

Colleges and Universities

Comparative/International Education

Counseling and Guidance

Curriculum Resources (K-12)

Distance Education

Early Childhood

Education Administration and Policy

Education Associations, Organizations, and Conferences

Conferences:

Education Journals (Open access)

Education Law

Education Libraries (Selected)

United States:

International:

Education Reform

Educational Technology

Employment Opportunities

ERIC (Educational Resources Information Center)

  • ERIC (unrestricted access via the Education Resources Information Center)

Foreign Languages

Gifted and Talented

Grants and Financial Aid

Higher Education

History of Education

Home Schooling

K-12 Schools

Language Arts

Listservs

Massachusetts

Media

Music

Philosophy of Education

Prevention Science and Practice

Psychology

Reading

Reference Resources

Science & Mathematics

Social Studies/Social Sciences

Special Education

Statistical Data

Polls:

Teaching and Pedagogy

Testing, Assessment, Evaluation, and Standards

United States Government


Fonte: clica aqui

Anúncios

Posted in desenvolvimento profissional, educação, escola, inglês, professores | Com as etiquetas : , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Coaching para professores

Posted by J L em Abril 5, 2014

Posted in desenvolvimento profissional, professores | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Os medos do professor. Alguns conselhos …

Posted by J L em Fevereiro 6, 2014

Docente, ¿a qué le tienes miedo?

Este artículo tiene la intención de hablar del miedo o, mejor dicho, de los miedos que tenemos todos aquellos que ejercemos la profesión de docente. Pero este artículo no sólo es un artículo acerca de nuestros miedos, es un artículo por y para valientes. Son muchas las situaciones que vivimos en nuestra práctica docente en la que el miedo nos puede llegar a paralizar. Es por ello que esta entrada está pensada no para aquellos que tienen miedo, sino para aquellos que, reconociendo sus miedos, son capaces de enfrentarse a ellos para superarlos desde la más absoluta determinación y valentía.

¿Qué entiendo por el miedo del docente?

Todos sabemos lo duro que es enfrentarse todos los días a un grupo de alumnos. Muchos de nosotros hemos tenido grupos realmente muy complicados de gestionar. Grupos que se han convertido en una auténtica pesadilla y donde la palabra enseñar en ocasiones se queda en un segundo plano.

Desde mi experiencia personal, debo confesaros que he padecido esta clase de grupos. Hoy me he decidido a contaros cuáles eran mis miedos por aquel entonces y de qué manera los he superado. Ten por seguro que no son fórmulas mágicas, pero creo que pueden ser un punto de partida para que enfoques la gestión de estos grupos con la mejor de las predisposiciones.

¿A qué le tenía miedo?

Recuerdo hace años una clase que era absolutamente terrible, o al menos esa era la percepción que tenía. Se trataba de una clase con una enorme diversidad en la que una parte de alumnos tenía unos problemas conductuales realmente importantes. A este grupo le impartía la asignatura de Lengua Castellana y Literatura tres días a la semana y, para más inri, a últimas horas de la mañana.

El error más importante que cometí fue sin duda el de rendirme desde el principio. Me autoconvencí de que no había nada que hacer con ellos, que de lo que se trataba era de aguantar la sesión lectiva y sobrevivirla de la mejor manera posible. Pero mi rendición se convirtió automáticamente en mi perdición. Recuerdo que no podía dejar de pensar en aquel grupo, la noche anterior ya pensaba en que al día siguiente tenía que impartirles clase, contaba las horas que faltaban para darles clase, llegaba el viernes y pensaba que era muy afortunado porque estaría unos días sin verlos.

Si os fijáis en lo que acabo de escribir, os daréis cuenta de que no impartía clase a ese grupo tres sesiones lectivas a la semana, les impartía clases todas las horas del día. No podía parar de pensar en el grupo, pero no hacía nada para cambiar la situación. Todos sabéis lo paralizante que puede resultar el miedo. Ahora, pasados los años, me doy cuenta de que el problema no era el grupo, sino la gestión del miedo que hice de ese grupo.

Precisamente, este curso académico tengo grupos mucho más complicados que el que tuve hace años. Pero puedo decir que a estos grupos ya nos les tengo miedo. He sido capaz de establecer unas estrategias y cambiar la visión de mí mismo y he logrado pasar de la angustia de entrar en un aula, al placer de enseñar a un grupo enormemente diverso. ¿Quieres saber cómo lo he conseguido? Aquí tienes algunas respuestas:

Cómo vencer al miedo.

1. Planificación. Prepárate a conciencia aquellas clases en las que tengas los grupos más difíciles. Es fundamental que previamente a la impartición de la clase, seas capaz de visualizarla. Debes intentar anticiparte a todo lo que podrá ocurrir durante aquella sesión lectiva. No dudes que la mejor clase es aquella clase que parte del trabajo previo, de la preparación concienzuda.

2. Autoconcepto. Si quieres vencer tu miedo, debes en primer lugar cambiar el autoconcepto que tienes del grupo y de ti mismo acerca del grupo. Convéncete de que tienes las estrategias para hacerte con las riendas de ese grupo. Porque cuando cambias tu autoconcepto es cuando dejas de rendirte y te pones a luchar para que las clases salgan adelante. La rendición es tu peor enemigo. Ya hablé de la importancia del autoconcepto en el artículo Docente, ¿aplicarías el principio 20/80 a tu profesión y a tu vida para ser más feliz? En este artículo cito una frase de Martín Seligman que resume a la perfección lo que quiero transmitirte: ‘Se puede cambiar lo que se siente cambiando lo que se piensa.

3. Reflexión. La rendición y nuestro autoconcepto tienen a otro enemigo que no es otro que la falta de reflexión. El problema del miedo es que tiene un efecto enormemente paralizante. A mayor miedo, mayor obsesión, y mayor obsesión, menor reflexión. Es por ello que si quieres superar el miedo debes analizarlo lo más detenidamente que puedas. Debes intentar verbalizar qué temes de aquellas clase. Y para ello es necesaria la reflexión. A través de la reflexión serás capaz de analizar cuáles son tus puntos débiles y cuáles son tus puntos fuertes. Una vez detectados, entonces céntrate en los fuertes y explótalos al máximo.

4. Flexibilidad. La conflictividad de un grupo debe regirse por encima de todo por el principio de la flexibilidad. Precisamente la flexibilidad es un arma tremendamente poderosa para combatir el miedo. Siendo flexibles en nuestras sesiones lectivas tendremos la oportunidad de modificar aquello que en un principio parecía inamovible.

5. Determinación. No hay mejor forma de superar el miedo que con una firme determinación. Hace tiempo que me convencí de que eres el amo de tu vida, pero también de tu destino. Aprende a distinguir aquello que tú si eres capaz de cambiar. Te pondré un ejemplo muy sencillo al respecto. Normalmente, aquellas clases que más tememos son las que solemos ser más impuntuales. Apuramos al máximo la hora de entrada, porque pensamos que si podemos arañar unos minutos, serán unos minutos en los que no estaremos padeciendo el grupo. Pues bien, esto es un error enorme. Y te diré por qué. Pues porque mucho antes de entrar en el aula ya estás sufriendo. Seguramente llevas sufriendo desde la noche anterior. La determinación te permite pensar en ese grupo sólo para ver qué aspectos puedes mejorar del mismo. Así que lo que hay que hacer es entrar más puntual que nunca, con la mejor de tus sonrisas, con una actitud tremendamente positiva. Eso es enfrentarse al miedo, en eso consiste la determinación. Sobre este punto te recomiendo la lectura del artículo titulado 5 consejos para empezar con buen pie una clase.

6. Autocontrol. El autocontrol está muy relacionado con la inteligencia emocional. Si antes he hablado de la importancia de cambiar nuestro autoconcepto acerca de un grupo conflictivo, ahora quiero referirme al autocontrol que debes gestionar precisamente cuando estás dentro del aula. El autocontrol es el encargado de mantener a raya tus miedos, temores e inseguridades. Cuanto más trabajes el autocontrol, más facilidades tendrás de superar tus miedos. El autocontrol te permitirá gestionar no el miedo, sino las emociones. Si consigues entonces transformar el miedo en autocontrol, te aseguro que la gestión del grupo será tremendamente más fácil.

7. Entusiasmo. El miedo nos vence, pero también nos roba la alegría y el entusiasmo. Y sin entusiasmo es muy difícil poder enseñar. Debemos dar lo mejor de nosotros mismos a cada instante y debemos ser capaces de hacerles ver que nuestro miedo se ha transformado en entusiasmo. ¿Sabes de dónde procede la palabra entusiasmo?

“El sustantivo entusiasmo procede del griego enthousiasmós, que viene a significar etimológicamente algo así como ‘rapto divino’ o ‘posesión divina’.
En efecto, el sustantivo griego está formado sobre la preposición en y el sustantivo theós ‘dios’. La idea que hay detrás es que cuando nos dejamos llevar por el entusiasmo es un dios el que entra en nosotros y se sirve de nuestra persona para manifestarse, como les ocurría —creían los griegos— a los poetas, los profetas y los enamorados.
Todos ellos estaban poseídos por la divinidad y por ello merecían respeto y admiración, pues llegaban a alturas que no podían ni siquiera vislumbrar las gentes de a pie”.

8. Pasión. Muy ligado con el entusiasmo encontramos la pasión. Siempre he pensado que la docencia es mitad vocación y mitad pasión. Pues bien, si eres capaz de transmitir pasión en lugar de miedo e inseguridad, te aseguro que serás capa de coger las riendas de tu clase. La pasión simple nos hace mejores en todo.

9. Relativización. Debes ser capaz de mirar tus miedos desde una distancia, desde cierta perspectiva. La perspectiva, junto con la reflexión, te permite afrontar los miedos, diseccionarlos, analizarlos e incluso darte cuenta de que tal vez la percepción que tenías del grupo no era tal vez la más objetiva. Relativizar te permite cuestionarte tu labor docente, te permite salir de ti mismo y valorar cómo enseñas a tus alumnos y cómo gestionas la clase.

10. Acción. Anteriormente he hablado de la reflexión. Pues bien, una vez hemos detectados nuestros puntos fuertes, llega el momento de entrar en acción. De entrar en el aula, con entusiasmo, con pasión, con determinación. Hay que entrar en ese aula con el convencimiento de que estamos en disposición de hacer algo grande, de que tenemos el control y el convencimiento de que esa sesión lectiva tendremos una excelente oportunidad de ganar la batalla a nuestros miedos porque, como he repetido varias veces en este artículo, lo malo del miedo es su inmovilidad, su falta de acción.

Acabaré este artículo con una cita de Fray Antonio de Guevara porque la última palabra de la misma recoge la esencia y la finalidad de este artículo:

El corazón que está lleno de miedo, ha de estar vacío de esperanza

Fonte: clica aqui

Posted in professores, profissão | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

programa de solidariedade e inovação pedagógica – aprende a conhecer crianças de outros países

Posted by J L em Fevereiro 6, 2014

Innovación educativa desde la Comunitat Valenciana
En el curso 2012-2013, el centro Princesa Mercedes participó con Ayuda en Acción en la adaptación del programa para el primer ciclo de Educación infantil y creó guías didácticas específicas para niños y niñas tan pequeñas. La adaptación pedagógica fue una labor compleja, pues los destinatarios son niños y niñas que todavía no han aprendido a leer… y en muchos casos tampoco a hablar, un aspecto clave según destaca Rubén: “la guía didáctica contempla la particularidad de que parte de nuestro alumnado no hable, y hemos tenido presente esta circunstancia a la hora de adaptar los materiales”.
De hecho, Rubén ve ventajas donde otros quizá ven dificultad en el trabajo con los/as más pequeños/as: “son libros por escribir, en blanco, sin prejuicios, y ávidos de saberes, por eso reto me parece la palabra adecuada para definir esta aventura”.
Antes de finalizar el curso, los alumnos/as del Princesa Mercedes fueron los primeros en adentrarse en este programa de educación en valores, seguidos por un centro de Asturias. En este curso escolar 2013-2014, el programa se ha introducido en otras escuelas de la Comunitat Valenciana, y ha llegado asimismo a otras aulas infantiles de toda España.
Aprender conociendo a niños/as de otros países
“Nos animamos a iniciar “Ahora Toca…” porque ya conocíamos su existencia en colegios de la zona y porque la idea se transmitió al equipo educativo de nuestro centro y despertó ilusión y ganas de trabajarlo”, explica Rubén. “Estudiante perpetuo”, como se autocalifica este diplomado en magisterio de educación infantil y técnico especialista en Salud Ambiental, su labor en Princesa Mercedes se iniciaba allá por 2003, en calidad de maestro-coordinador.
La inquietud pedagógica, el espíritu solidario, y sobre todo el hecho de que el centro ya reflejaba como eje transversal la educación en valores, fue lo que causó la buena acogida. “Somos de los pocos centros de nuestro tipo que tiene un personal estable y con puestos fijos, lo que permite que tus ideas solidarias calen en el equipo educativo y que con el paso del tiempo sean ellos los que estén deseando poner en funcionamiento nuevos proyectos, pues forma parte del ADN del centro”.
“El centro siempre se ha caracterizado por ser un cole en el que los valores como la solidaridad, el compañerismo o la atención a la diversidad se han tenido muy en cuenta”. De hecho, participan en una larga lista de proyectos de colaboración de diversa índole: en discapacidad, atención a hijos de mujeres en prisión o talleres de teatro que representan para alumnos de educación especial.
Entre los objetivos principales que se propone el programa “Ahora Toca…” está el diálogo intercultural y fomentar la igualdad entre niños y niñas. Un proyecto “ambicioso”, en palabras de Rubén, pues “no se quedaba en una actividad concreta sino que pretendía actuar sobre toda la comunidad educativa: alumnos/as, padres y madres y educadores”.
A través del vínculo solidario con Perú entran en interacción directa con escuelas de ese país, conocen su realidad, costumbres y cultura. “Para ellos, el mero conocimiento de que existe otro lugar en el mundo muy lejos del que vivimos en el que hay niños y niñas, animales y costumbres distintas a las nuestras, despierta su curiosidad”.
En opinión de Rubén, la educación en valores de las/os niños más pequeños puede cambiar el mundo: “Estoy totalmente convencido de que este tipo de proyectos obtendrá sus mejores resultados a largo plazo, porque tienen un efecto bola de nieve: comienzas en clase, se contagia a las casas y de ahí a las familias. Y si esto se consigue, los niños de ahora, que serán los padres del mañana, los profesores, los médicos, los políticos del mañana… serán más sensibles a las situaciones de pobreza e injusticia de este mundo”.

fonte: clica aqui

 

Posted in escola, professores | Leave a Comment »

Sensibilização para o corta-mato. Uma história adaptada para alunos e, … porque não para professores?

Posted by J L em Dezembro 13, 2009

Corta-mato escolar. Uma história para alunos e, … porque não para professores?

Patrícia disse a um amigo. Vou fazer-te uma proposta. Preciso que me ajudes amanhã no corta-mato da escola. Jorge ficou surpreendido e abanou a cabeça.

Eu quero ajudar-te, mas não sei o que posso fazer de hoje para amanhã.

Patrícia afirmou que relativamente ao seu treino era capaz de fazer corridas curtas durante a semana, nas aulas de Educação Física, mas não estava confiante de que era capaz de terminar a corrida de corta-mato.

Nunca participei numa corrida com tantas pessoas. Participei apenas no corta-mato da turma, portanto a minha competência é baixa. Não sei como vou reagir e estou com medo. Acho que o meu empenho é baixo. E se não conseguir terminar?

– Vá lá, Patrícia – encorajou Jorge. Consegues caminhar o dobro ou o triplo da distância do corta mato.

– E se chegar em último? Vou ficar apavorada – Patrícia escondeu a cara com as mãos como se estivesse a tentar afastar a imagem dela a cair para último lugar.

Jorge riu-se.

És mesmo uma aprendiza desiludida. Como te posso ajudar?

– Tenho uma ideia – o sorriso de Patrícia deixou Jorge a pensar no que se tinha metido.

O meu pedido é: corre comigo. Já participaste em dezenas de provas e sabes como são. Tens o poder do conhecimento. Gostava que fosses o meu parceiro da corrida e o meu treinador. Preciso de apoio e de orientação.

– Estás a brincar? Eu não treinei – queixou-se Jorge.

Lenta como eu sou, não precisas de treino para me acompanhares! – disse Patrícia.

Podemos falar disso no caminho para casa.

Ao nascer do sol na manhã seguinte, Jorge vestiu o equipamento de corrida, fez uns exercícios de aquecimento e saiu para ir buscar a sua amiga Patrícia.

Patrícia irradiava alegria quando viu Jorge com o equipamento de corrida.

– Eu sabia que aceitarias – disse ela enquanto lhe dava uma barra de cereais e uma bebida energética. – pensei que precisavas disto – acrescentou com alguma presunção.

– Percebi que não podia dizer que não. Pediste ajuda e para isso é preciso força. É difícil dizer que não a alguém que sabe o que precisa.

Jorge, lembras-te quando comecei a correr pela primeira vez? Comprei uns calções e uns tops giros, uns ténis e umas meias. Tinha tudo. Estava bastante orgulhosa de mim mesma.

Foi nas aulas de Educação Física que comecei a correr, corri três minutos e comecei a sentir os músculos da coxa a contrair. Tentei controlar a respiração, mas não conseguia respirar. Deu-me aquela pontada que nunca mais passava.

Jorge riu-se.

– Lembro-me da tua desculpa. Disseste: “Devo ter músculos que se contraem rapidamente. Não foram feitos para corridas de longa distância. E, além disso, correr não é muito bom para os meus joelhos.”

Boas desculpas, continuou Jorge, sorrindo J.

– Eu não me queixei dessa maneira! – Patrícia esticou-se e empurrou suavemente Jorge. – De qualquer modo, eu queria desistir. Lembras-te do que me disseste?

Jorge encolheu os ombros.

– Relembra-me.

Explicaste-me que ao correr se exercitam músculos diferentes dos que eu estava habituada a exercitar. Disseste-me que seria necessário um esforço mais do que apenas comprar umas sapatilhas novas.

– Acertei em cheio – disse Jorge, com orgulho.

– O que é interessante é que eu costumava ser boa sprinter e nunca pensei que conseguiria correr mais do que 100 metros. Era uma limitação pressuposta.

– Não eram os músculos que se contraíam rapidamente? – disse Jorge.

Patrícia parecia um pouco defensiva quando respondeu:

– Talvez eu tivesse músculos que se contraíam rapidamente, contudo, isso não significa que eu não conseguisse correr alguns quilómetros.

– Então do que precisavas? – perguntou Jorge.

Precisava de aprender a correr de maneira diferente. Precisava de alguém que me mostrasse como. Alguém para observar, monitorizar e avaliar a minha corrida, que também me desse informações sobre o meu desempenho.

Jorge estava impressionado.

– Agora lembro-me. Foste falar com o teu professor de educação física e ele ajudou-te a criar um programa de treino.

Patrícia explicou – ele ajudou-me a planear uma estratégia que incluía ir aos treino do grupo de atletismo da escola, deu-me instruções sobre a minha respiração e técnica de corrida, fez-me assinar uma revista de atletismo e tu responsabilizaste-me pelo cumprimento do meu plano de treino.

Por agora vamos concentrar-nos no objectivo de hoje.

Chegaram à escola secundária, onde dezenas de alunos estavam reunidos para a corrida.

– Quanto tempo é que achas que precisas para terminar a teu corta-mato?

Patrícia riu-se.

– O meu objectivo é concluir a corrida de corta-mato.

É justo. Se acabar a corrida é suficientemente motivador, é nisso que nos vamos concentrar. Mas acho que devias estabelecer uma fasquia – disse Jorge.

Entre os alunos da escola que esperavam pela hora da prova, estavam também algumas jovens do 2º ciclo, da Escola Básica ao lado, os quais tinham sido convidados para participar no corta-mato.

Chamando a atenção para uma pequena adolescente, franzina da Escola Básica, Jorge afirmou: – Acho que deves tentar derrotá-la.

Patrícia estava atenta e não mordeu o isco.

– Isso não é um objectivo inteligente! Não tenho controlo sobre a velocidade a que aquela rapariga corre, não a conheço. Com a minha sorte, ela tem o título nacional feminino de atletismo.

– Não deverias estabelecer alguma fasquia? – inquiriu Jorge seriamente.

– Está bem, que tal esta: o meu objectivo é não ser a última a cortar a meta. Isto significa que se eu não conseguir continuar, tens de me levar ao colo!

Dirigiram-se à mesa de inscrições, levantaram os dorsais com o seu número e prenderam-nos às t-shirts.

Havia música no ar. O ambiente era eléctrico e Jorge sentia-se cheio de energia. Era divertido fazer parte do evento desportivo.

A hora da prova, rapidamente, se aproximou e os participantes juntaram-se na linha de partida. Patrícia e Jorge estavam no meio da multidão.

– Aos seus lugares – gritou o juiz de partida através do sistema sonoro. Jorge não tinha reagido a tempo de parar Patrícia.

Soou o tiro da pistola de partida. E partiram.

A euforia que sentia no início de uma corrida empolgava Jorge. Ele até conseguia sentir o chão a tremar com o pulsar de tantos pés atrás dele. Enquanto acelerava para apanhar Patrícia, conseguia ouvir a respiração dos corredores mais próximos. Em segundos ultrapassaram-no.

– Incrível! – gritou Patrícia. Porque é que as pessoas estão a correr tão depressa no início da corrida?

Nunca conseguirei chegar ao fim se tentar acompanhá-las – não estava a ser capaz de escolher o ritmo certo para correr. – Já estou pronta para desistir! O que devo fazer, treinador?

Jorge respondeu: “Tenta apenas chegar à caixa de saltos”.

Ela sorriu por entre a dor.

– Está bem, chego à caixa de saltos, e depois? – perguntou ela respirando esforçadamente.

Depois, lembra-te do teu objectivo.

– Ah, sim. Chegar ao fim.

– O que aconteceu no início da corrida? – a pergunta de Jorge era mais do que uma interrogação. Ele esperava que, desse modo, ela chegasse a uma conclusão.

– Fiquei tão entusiasmada que decidi avançar! Pensei que pudesse ganhar entre a minha faixa etária.

Jorge achou a inocência de Patrícia encantadora.

– Isso seria um grande feito, não seria? Ganhares entre a tua faixa etária no teu primeiro corta-mato, depois de treinares apenas durante dois meses, em algumas aulas de Educação Física – ele tentou não parecer muito crítico.

Patrícia percebeu.

– Oh, que vergonha – disse ela, por entre a respiração. Agi como se tivesse muita experiência, começando na frente, a pensar que podia ultrapassar ou pelo menos acompanhar os melhores. Sinto-me uma principiante desiludida.

Jorge respondeu. – Lembra-te que o difícil é começar.

Depressa passaram a caixa de areia.

– Chegamos à caixa e agora? – questionou Patrícia ofegante.

– Continua um passo de cada vez – respondeu Jorge.

Durante o resto da corrida, Patrícia pediu a Jorge a orientação e o apoio possível: Tenta só chegar ao pavilhão. Muito bem. Agora tenta alcançar aquelas duas colegas, não parecem muito rápidas. Assim é que é, Patrícia! Ela encorajou-se a si própria em voz alta para que Jorge pudesse acrescentar alguma coisa se achasse necessário.

Se estiver a respirar com dificuldade para falar, significa que estou a correr a um ritmo demasiado rápido e que devo abrandar um pouco?

Por vezes, Jorge dava-lhe respostas directas; outras vezes pedia-lhe para experimentar e para depois informar do que ela achava que era melhor.

Jorge corria com facilidade, tal como parecia acontecer com Patrícia, mas ela continuava ofegante.

Por fim, já conseguiam ver a meta, no campo de jogos.

– Ok, treinador – conseguiu dizer, ofegante. – Outros corredores dizem que é aqui que ganham uma carga de adrenalina, um segundo fôlego, e fazem um sprint até à meta. Não tenho esperanças nenhumas. Acho que nunca tive um primeiro fôlego. As minhas pernas parecem chumbo. Os meus pulmões doem. Espero conseguir acabar.

Jorge estava realmente preocupado. Não queria ter de a levar ao colo. Foi então que ouviram vozes familiares a aplaudi-los no campo de jogos, perto da meta. Olharam de relance e viram um grupo de amigos mais velhos a gritarem e a berrarem que nem loucos.

– Uau! – disse Patrícia. – Não sabia que estariam todos aqui – ela sorriu apesar da dor. Acho que estão chocados por ver que ainda estou de pé!

– E que não és a última – acrescentou Jorge, piscando o olho.

Com isto, o rosto e o corpo de Patrícia transformaram-se. Ganhou um segundo fôlego.

– Vamos! Gritou ela, acenando para os amigos quando recomeçou a correr.

Quando chegaram, Patrícia abraçou Jorge alegremente.

– Obrigada, obriga, obrigada! – disse ela entusiasticamente. Ele abraçou-a e ao mesmo tempo continuou a andar com medo que as pernas dela começassem a ficar com cãibras.

– Olha! – observou Patrícia apontando para a linha de chagada. – Ainda estão a chegar atletas!

Ainda havia corredores a cortar a meta, mas muitos mais tinham chegado antes deles. Não tinham realizado um tempo magnífico, não tinham realizado uma corrida particularmente rápida.

Jorge, nesse momento teve uma revelação. Ele sabia que Patrícia era uma pessoa muito competitiva, porém, curiosamente, saber que dezenas de corredores tinham chegado à frente dela não a estava a incomodar.

Aliás, ela estava radiante por ter terminado a corrida, por ter alcançado o objectivo dela. Não interessava o que os outros tinham feito.

Pouco depois Jorge e Patrícia estavam rodeados de amigos. Passaram a hora seguinte a levantar os seus prémios de participação e a apreciar as coisas boas que advêm do facto de terminar a corrida. Quando se dirigiu para o carro do pai, Patrícia abraçou cada um dos seus amigos.

– Todos vocês deram-me o apoio que eu precisava, quando mais precisei – disse ela. Obrigado por nos relembrarem que existem tantas formas de conseguir o que precisamos, e os amigos são um bom campo por onde começar.

No dia seguinte o pai de Patrícia não a foi buscar à escola de carro. Ela e os seus amigos foram a pé para casa. Quando passaram na Escola Básica, que fica ao lado, estava uma rapariga franzina à porta.

João, um dos colegas de Patrícia perguntou-lhe: Sabes quem é aquela rapariga?

Patrícia hesitou e respondeu: não sei quem ela é, mas vi-a ontem no corta-mato da escola.

João continuou: foi ela que ganhou a corrida em que participaste.

Parabéns pela corrida de ontem na minha escola. – Disse Patrícia sorrindo para a vencedora.

Questão para os alunos

Qual é a moral da história?

Entre outras, pode ser a seguinte:

Existe magia em diagnosticar o seu nível de desenvolvimento e em conseguir a orientação e o apoio de que precisa para alcançar o seu objectivo.

Sem conseguir o que precisava, Patrícia teria desistido após poucos metros de corrida.

História adaptada. Editora Pergaminho SA

Posted in desporto, educação, escola, formação, professores | 1 Comment »

Rigor ou facilitismo na nova avaliação – editorial do DN – 26 de Nov. 2009

Posted by J L em Novembro 26, 2009

Não se conhecem razões objectivas, em nenhuma carreira profissional, para que aqueles que a percorrem tenham necessariamente de a terminar no seu escalão mais elevado, graças à mera passagem do tempo. Os lugares de topo são, por definição, escassos e investidos de especiais responsabilidades. É justamente por isso que uma avaliação de desempenho eficiente, simples e rigorosa, equilibrada e discriminadora – capaz de separar os medíocres da grande mediania e esta das actuações excepcionais – é uma ferramenta imprescindível para promover a subida de nível dos resultados em qualquer profissão.

Por maioria de razão, na dificílima tarefa que está cometida aos professores, cujos resultados não se medem em quantidades físicas nem em produtividades facilmente mensuráveis. A nova ministra da Educação avançou já com o gesto carregado de valor simbólico de abolir as duas categorias diferenciadas na carreira dos docentes não universitários, substituindo-o pela promoção sujeita a vagas. O problema da criação de um sistema de avaliação credível e separador do trigo e do joio, esse, mantém-se (ainda) em aberto.

Do passado, há um eco perturbador por parte da actuação dos professores: raríssimas foram as vozes entre eles que tiveram a inteireza de denunciar em público a farsa na qual se transformara a pretensa avaliação em vigor. Dava então muito jeito ir na onda (essa, sim, vergonhosamente facilitista!) de créditos amealhados tantas vezes sem critério ou de relatórios em copy-paste. A questão do momento é, assim, inquietante: poderá esta classe profissional renascer do seu laxismo moral do passado, pugnando hoje pela avaliação rigorosa e exigente que o futuro reclama?

fonte

assuntos relacionados:

a nova avaliação dos professores

Laxismo ou laxante?

 

 

Posted in avaliação, professores | Leave a Comment »

ADD – Resultados do questionário sobre a observação de aulas

Posted by J L em Novembro 23, 2009

Avaliação do Desempenho Docente e a observação de aulas (parte 1) – clica aqui

Avaliação do Desempenho Docente e a observação de aulas (parte 2) – clica aqui

Posted in avaliação, desenvolvimento profissional, professores, profissão | Leave a Comment »

ADD – PSD não cumpre programa eleitoral. Agora defende a substituição do actual modelo de avaliação em vez da suspensão. Vergonhoso ou não?

Posted by J L em Novembro 20, 2009

Deputados debateram ontem oito diplomas sobre avaliação dos professores e Estatuto da Carreira Docente. PSD acabou por ser o grande visado pelas críticas da restante oposição, por ter deixado cair a exigência de suspensão do actual modelo. Hoje, o PS vai viabilizar a proposta dos sociais-democratas. Já o PSD não dará o voto a favor ao CDS, BE e PCP.

O PSD não vai viabilizar os diplomas dos restantes partidos da oposição que defendem a suspensão da avaliação dos professores.

Ontem à noite, os sociais-democratas garantiam que a decisão de voto não estava ainda tomada – mas a dúvida prendia-se com a abstenção ou o voto contrário às propostas do CDS, Bloco de Esquerda e PCP. Sendo que qualquer uma destas situações trava a suspensão do processo: com a abstenção do maior partido da oposição, os votos do PS serão suficientes para chumbar os projectos dos outros partidos. Em sentido contrário, o PS assumiu ontem que vai viabilizar a proposta do partido de Manuela Ferreira Leite, que dá ao Governo trinta dias para negociar um novo acordo com as estruturas sindicais dos professores.

A posição dos sociais-democratas – que avançaram com um projecto que não defende a suspensão, mas a substituição do actual modelo – deixou ontem a bancada laranja sob o “fogo cruzado” de centristas, bloquistas e comunistas, durante o debate parlamentar de oito projectos sobre a avaliação e a carreira docente. “O que sugiro ao PSD é que não se deixe contagiar pelo receio que o Governo tem do verbo suspender”, afirmou o líder do CDS, Paulo Portas, defendendo que a “maioria dos portugueses votou pela suspensão do modelo de avaliação dos professores”, já que PSD, CDS, BE e PCP inscreveram esta medida nos respectivos programas eleitorais. “Porque é que suspendem o vosso programa para dar o direito ao PS de não suspender o modelo de avaliação”, questionou. O mesmo referiu o Bloco de Esquerda, com a deputada Ana Drago a citar o programa eleitoral dos sociais-democratas – “suspenderemos o actual modelo de avaliação”- para questionar se o maior partido da oposição “tem uma dúvida semântica com as palavras ‘compromisso de verdade’ [o título do programa eleitoral do PSD]”.

Bernardino Soares, líder parlamentar do PCP, acusou a bancada laranja de dar “um braço ao Governo, porventura à espera de enlaçar outro braço noutra matéria”. Heloísa Apolónia, do PEV, dirigiu-se à bancada liderada por José Pedro Aguiar-Branco: “O que é que o PSD negociou com o PS? Recebeu alguma coisa em troca?”.

Na resposta, o social-democrata Pedro Duarte acusou a restantes oposição de “estar obcecada com a conflitualidade partidária, esquecendo os interesses dos professores”.

“Os senhores estão agarrados à palavra suspensão, nós estamos agarrados à palavra solução”, acrescentou. Aguiar- Branco diria mais tarde que CDS, BE e PCP querem ficar pela “mera agitação” e decretou que “a crise acaba aqui”.

Se o PSD acabou por ser o grande visado pelas críticas dos pequenos partidos, o PS também não escapou, com toda a oposição a defender que só por teimosia e orgulho os socialistas não admitem a suspensão – até porque o ministério da Educação mandou já parar os procedimentos nas escolas para o segundo ciclo avaliativo. Nas bancadas do CDS, BE, PCP e PEV argumentou-se que é preciso dar validade legal a esta medida, precisamente através da suspensão do actual modelo. Jorge Lacão, ministro dos Assuntos Parlamentares, argumentou que os projectos em debate suspenderiam o primeiro ciclo de avaliação, que está actualmente a terminar, defendendo que seria “irresponsável criar uma condição jurídica que viesse a anular os efeitos” dessa avaliação.

fonte: DN

Posted in avaliação, professores | Leave a Comment »

Revogação do Estatuto da Carreira Docente –

Posted by J L em Novembro 7, 2009

Caros colegas,

Assinem o abaixo-assinado on line a favor da revogação do ECD. Clica aqui

 

Posted in avaliação, professores | Leave a Comment »

desenvolvimento profissional dos professores

Posted by J L em Novembro 2, 2009

Desenvolvimento profissional dos professores: http://issuu.com/guerrerortiz/docs/revista_pensamiento_educativo_vol_41__n2-dic2007

Posted in desenvolvimento profissional, professores | Leave a Comment »